De repente [Mário Quintana]

De repente

Olho-te espantado:
Tu és uma Estrela do Mar.
Um minério estranho.
Não sei…

No entanto,
O livro que eu lesse,
O livro na mão.
Era sempre o teu seio!

Tu estavas no morno da grama,
Na polpa saborosa do pão…

Mas agora encheram-se de sombra os cântaros

E só o meu cavalo pasta na solidão.

Mario Quintana
(1906-1994)

Mais sobre Mario Quintana em
http://pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%A1rio_Quintana

Comente

Required fields are marked *
*
*

%d blogueiros gostam disto: