Daily Archives: novembro 2nd, 2008

MICHELINY VERUNSCHK

  HISTÓRIA     Desenterrar os mortos  e chupar seus ossos,  sugar seu mosto  de terra e sangue seco,  seu gosto secreto  de anos infindáveis,  seus arcos,  costelas,  arquitetura.     (…)   Se infeccionar com os mortos.  Triturar seus artelhos  De esponja ressequida,  Pintar de negro e noite  Os dentes e a saliva  E […]

RODRIGO GARCIA LOPES

  RIZOMA     Você deixou os instrumentos sob o sol rachando o som que penetrava rochas de cores escritas com o tato, você delirava considerando asteriscos num céu de areia hostil.   Os halos seguiram com os corpos, quebras de esquinas com o vazio do tempo nas narinas mornas do nômade, rimas taliban se […]

CLAUDIA ROQUETTE-PINTO

    Colina acima   os pinheiros puseram em sentinela seu exército de boddhisattvas. A neblina caindo, primeiro apaga a floresta, depois a imagem no lago. Um pássaro persistente fez seu ninho no meio da urze, e canta. – nada vai tirar você de dentro de mim.     * * *   Um par […]

A LINGUAGEM CRIATIVA DE GUIMARÃES ROSA [de Ricardo Soares]

  A linguagem criativa de Guimarães Rosa   por Ricardo Soares     O centenário do nascimento (27 de junho de 1908) de João Guimarães Rosa, que neste 2008 transcorre, enseja refletir: se a morte, há quarenta anos, não distanciara os interesses em volta de sua obra, a centúria ora celebrada vem a confirmá-lo na […]

JAIRO PEREIRA

Jairo Pereira nasceu em Passo Fundo (RS) em 1956, mas reside hoje em Quedas do Iguaçu. Publicou vários livros de prosa e poesia, entre eles O Artista de Quatro Mãos (1992), O Antilugar da Poesia (1995), O Abduzido (1999) e Capimiã (2002).   POEMA ABSTRATO  Fiz um poema abstrato  de não se ver não pegar […]

LAU SIQUEIRA

  circunstância     o poema  é sempre um espetáculo  um pouco mais denso   vem de um tempo  longino  onde a memória perdia  o nome das coisas   e as pessoas eram  montarias do futuro     poeta interino     todo dia substituo um  cidadão de jeans san  dálias e cabelos gris  por […]

ANTONIN ARTAUD E O SURREALISMO DISTÂNCIAS E APROXIMAÇÕES [de Francine Jallageas]

  Antonin Artaud. Um vagabundo do absoluto. Um homem cujo pensamento adere ao corpo como uma colante malha de dança. Profeta que passa suas palavras pelo crivo dos nervos. Um poeta cuja carne  se faz poesia. Mago de uma magia da qual ele é, ao mesmo tempo, sujeito e objeto.   — Roger Vitrac   […]

GRANDES CENTROS URBANOS: Espaço De Choque Entre Exílio E Diáspora [de Maria Angélica Amâncio]

Grandes centros urbanos: espaço de choque entre exílio e diáspora Maria Angélica Amâncio   .   1. Walter Benjamin e a capital do século XIX Metal e vidro. Esses são os materiais que revestiram, construíram e enfeitaram Paris, a capital do século XIX, durante o Segundo Império. Com eles, renovam-se a arquitetura e a arte […]