POETAS CARIOCAS – Andréa Abdala

ANDRÉA ABDALA

ANDRÉA ABDALA é carioca, de Nilópolis, Mestre em Nutrição pela UFRJ - onde é docente do curso de graduação em Nutrição - e autora de artigos sobre nutrição, entre outros, nas seções Feliz Idade e Boca Boa, da Revista Rio Total. A poesia ganhou formato em suas mãos num tempo historicamente recente, quando ela resolveu fotografar em versos o dia-a-dia da vida em todas as suas contradições. Participa de algumas listas de discussão de poesia na Internet, dentre elas, o Grupo de Intercâmbio Poetrix. Mário Quintana é o seu poeta favorito.

ANDRÉA ABDALA é carioca, de Nilópolis, Mestre em Nutrição pela UFRJ - onde é docente do curso de graduação em Nutrição - e autora de artigos sobre nutrição, entre outros, nas seções Feliz Idade e Boca Boa, da Revista Rio Total. A poesia ganhou formato em suas mãos num tempo historicamente recente, quando ela resolveu fotografar em versos o dia-a-dia da vida em todas as suas contradições. Participa de algumas listas de discussão de poesia na Internet, dentre elas, o Grupo de Intercâmbio Poetrix. Mário Quintana é o seu poeta favorito.

————————————————————————————

SOMENTE BOSQUES

Desconheço
quantos muros
entulhos
Quantos bosques
imersos
Reinos nobres
ou vagabundosDesconheço
das cores o verde
tons de azuis
Quantos troncos?
[esqueço-os]Não os
desmereço
Medo?
Pouca sorte.

Não me fizeram mal algum.

DÉCADAS

Jamais soube existir
barco sem rio ou mar,
rios sem peixes.

Lagoa
sem oxigênio…

Jamais soube existir
peixes sem anzol,
como também imaginar
amarelas folhas de outono
na capa de um jornal.

SORRISO DA GUERRA

Chora-te, terra em conflito
Pequeno menino a tua dor
Gemido de suor destemido
Verás nascer em ti o amor

Morra criança o teu juízo
Aquieta o olhar na espera
Um dia alcançarás do sino
a paz sonora e não austera

Carrega teu corpo vermelho
E o branco sangue da retina
Entre sons inaudíveis, guerreiro 
ressuscitarás liberto da agonia

Chora-te moleque moreno!
Livra-te desta pele deformada
Dividas conosco o sal do feno
que nos alimenta enquanto mata.

BONECO DE BRANCO

De neve
em neve
 em breve
renasce
o boneco
branco

e com ele o encanto
em cor [botão]

Sentado,
braço imaginário
[pura sedução]

Fantasia …

ah, eu quero ser.

————————————————————————————

Esta postagem foi originada a partir de:

http://www.riototal.com.br/escritores-poetas/

One Comment

  1. Posted 26 junho, 2011 at 8:24 pm | Permalink

    Olá, peço que divulguem.

    1º Concurso Nacional Novos Poetas
    Prêmio Augusto dos Anjos
    Inscrições Gratuitas
    Até 12 de Julho
    Pelo site:
    http://www.concursonovospoetas.com.br
    Realização Videira Editora

    Obrigado
    Isaac Almeida


Comente

Required fields are marked *
*
*

%d blogueiros gostam disto: