POETAS DO PARANÁ – Desiré Dacosta

Verão

Desiré Dacosta

De improviso.
Diante do mar espumoso
e iridescências intermináveis
a dois olhos totalmente nus
brincamos,
marinheiros embriagados,
piratarias intempestivas
como se não houvesse nenhum pais
a ancorar. Livres civis. Sem leis absurdas
pátria amada. Nenhum estandarte.
Éramos duas gaivotas saltitantes
alguns crustáceos entorpecidos
relembrando “labelle histoire d’amour”.
Sonhos esparramados em Paris
enquanto eu recitava Whitman
loucamente. Te comovia até as entranhas.
Nossos sentimentos. Brincamos. Havia
um sol ardido. Foi num domingo. Inesquecível.
Inventamos um amor imediato: pele a pele
como se fosse o último. Era.
Remanescente verão.

——————————————————————–
In: DESIRÉ, Dacosta, VARANDAES, p. 50, Ed. M. K. Tipogafia Ltda, out. 1984.

Comente

Required fields are marked *
*
*

%d blogueiros gostam disto: