VILMA MACHADO

Sinais da Vida

 

Fotomontagem de autoria de Vilma Machado - Alemanha

Fotomontagem de autoria de Vilma Machado - Alemanha

Todos nós já fomos pegos por sentimentos como inquietação, irritação, ansiedade, tristeza, muitas vezes tentamos entendê-los, outras não demos atenção ao fato, mas, estes foram sinais que a vida nos deu justamente para percebermos que algo em nossa vida não estava bem, o que fizemos com estes sinais pode ser observado hoje no tipo de vida que temos.

 

Somos hoje o resultado de nossas escolhas, escolhas certas ou erradas, é o que somos e se envolver em mil questionamentos com lamentações ou até mesmo procurando culpados pelos resultados é pura perda de tempo, pois a cada segundo esta mesma vida continua a nos dar sinais e para entendê-los, basta observá-los.

Podemos começar a observar o que sentimos, a forma como realizamos tarefas simples, como reagimos a coisas grandes e a coisas pequenas, como estamos ao acordar, como anda nosso humor e se os sinais estiverem somente aí, com certeza estaremos com sorte, mas, se o resultado daquele exame de laboratório não foi agradável, se as idas ao médico, psicólogo, terapeuta e outros estiverem se tornando frequentes, saberemos que os sinais estão aumentando.

A vida não desiste nunca de tentar nos levar ao caminho da felicidade, nós é que não damos ouvidos a ela e o resultado vai se tornando cada vez mais complexo, muitas vezes não temos outro jeito senão aceitar o que ela nos traz e nos impõe, mas, sempre teremos a escolha sobre como interpretar e viver estes fatos, pois temos por direito a escolha entre, tirar proveito do sofrimento ou deixar que ele nos destrua.

A vida deseja ardentemente que nos tornemos felizes, assim ela nos dá a cada instante de nossa existência uma nova chance. Chance para mudarmos, para escutarmos o que ela esta tentando nos mostrar, mas, cabe a nós a decisão de escutar ou não e de escolher qual o caminho queremos trilhar.

Dar atenção aos chamados que a vida nos apresenta requer também coragem, pois não é fácil tomar a decisão de ouvir e respeitar nossas intuições, aceitar e seguir os impulsos fortes que nos chamam em determinada direção, mas, se ouvirmos nosso coração veremos que temos as indicações que apontam para nosso objetivo fundamental, que é sermos felizes.

Não haverá escolhas corretas se não formos sinceros conosco, e a questão é quão sincero se consegue ser. Encarar verdades e se confrontar são algo que nem todos conseguem fazer, mas, dure o tempo que durar chegará o dia onde teremos que encarar estas verdades e assim, razão e coração, terão que analisar e reavaliar nossas crenças, nossos comportamentos, nossas fugas, nossas limitações, nossas frustações, nossos desejos e por fim nossos sonhos.

Crescemos ouvindo o que disseram ser bom para nós, durante anos vivemos conforme as regras e padrões alheios, agimos de acordo com conceitos herdados de nossos pais, amigos, professores, ídolos e muitas vezes,  crenças falsas, cheias de preconceitos, e assim nos condicionamos a viver em busca da aceitacao, aprendemos  a agir de acordo com o comportamento mais adequado para agradarmos a um e a outro.

Acabamos acreditando, consciente ou inconscientemente, que não somos capazes de ter uma vida feliz ou o que é pior, que não a merecemos, simplesmente por que fomos ensinados a seguir um padrão pré-determinado, fortalecendo assim que a sociedade além de influenciar e de dirigir nossa vida, também determinasse nossa visão do mundo.

Quebrar este círculo requer muita força, pois quando se passa tanto tempo se escondendo da vida e de si mesmo a possibilidade de uma vida livre, plena e feliz acaba produzindo medo, o medo do desconhecido, das emoções, dos riscos, o medo de errar de novo e consequentemente o medo de sermos cobrado novamente.

A questão é que, nós mesmos nos cobramos principalmente porque temos uma idéia equivocada de vários valores que fazem parte de nossa vida, responsabilidade é uma delas, quando falamos em responsabilidades pensamos em tudo que é material e esquecemos que ser feliz e ajudar aqueles que nos cercam a encontrarem seus próprios caminhos para a felicidade são nossa maior responsabilidade.

Se não somos felizes como poderemos fazer os outros felizes? Como poderemos dar exemplos a aqueles que convivem conosco e ensiná-los a serem confiantes e seguros de si mesmos?

Não podemos dar aquilo que não temos. O que teremos a oferecer aos outros se dentro de nós só tivermos amarguras, frustrações, decepções e tristezas. O que estamos fazendo, produzindo e criando?

Se esconder de nós e do mundo traz consequências muito sérias para nós e para todos aqueles que nos cercam e isto é uma grande responsabilidade. Muitas vezes acreditamos que não devemos causar dor naqueles que amamos, mas muitas vezes a dor é necessária para que o mal seja sanado. Quando temos uma ferida na perna, para que ela possa ser tratada é necessário que o medico coloque nela alguns medicamentos que produzirão e sofrimento, mas com o tempo a ferida sara e a perna estará em condições de cumprir seu papel na vida. Assim é com aqueles que amamos, a dor causada por se confrontar com as verdades da vida, com a realidade que se encontra ali presente, trará dor mas também maturidade, formando aos poucos uma base inabalável que será levada ao longo da vida capaz de suportar todas as tempestades que possam vir.

Refomular nossas crencas, encarar nossos anseios e frustrações, olhar para nossos familiares, amigos e colegas e admitir que eles não possam ser culpados por coisas que nós nos deixamos fazer e aceitar que, assim como nós eles também precisam encontrar e enfrentar suas verdades, que eles precisam também superar suas limitações e passar pelo caminho que hoje passamos, devemos ajudá-los a ver isto sem medo da dor que será produzida pois assim como a terra precisa ser rasgada,revirada e preparada para receber a semente, nós também precisamos muitas vezes sermos rasgados e revirados em tudo que acreditamos somente assim poderemos receber a semente e deixá-la brotar.

A vida nos dá o direito de escolha e exercitar este direito não fará que sejamos menos amados, pelo contrário seremos um dia lembrado pela nossa força, pela nossa coragem e principalmente pela nossa sinceridade e respeito para conosco, para com aqueles que amamos e para com a vida.

© Vilma Machado

———————————————-

Teu amor

 

Um dia 

olhei

te encontrei

no outro

te amei

 

Dias vieram

onde sofri

sonhei

 

Um dia

acreditei

no outro

chorei

 

Hoje

na dor plantei

a esperança

no amor

que sempre

confiei

 

© Vilma Machado

Comente

Required fields are marked *
*
*

%d blogueiros gostam disto: