POETAS DO MARANHÃO – Lília Diniz

NASCI NO CRIOLI DO BINA Lembrei dos fios que tecemos diariamente… Urdiduras Teço dia após dia a mortalha que vestirei Por enquanto coloco botões pequenos, grandes e coloridos (caseio meus dias sempre antes de vivê-los) Nos bordados já prontos figuram borboletas que levarão o melhor de mim (restam duas ou três, não mais) A minha […]

CRÔNICAS – Desafio ao leitor

Desafio ao leitor Jamil Salloum Jr.               Hoje proponho um desafio a você, amigo leitor. Terá coragem de aceitá-lo ou preferirá se acovardar? Como introdução ao desafio, cito um trecho da pena do notável fisiologista Charles Richet,  em:             “Por que existes? Não és realmente curioso se nunca fizeste […]

O Perfeito Cozinheiro…

Diário coletivo da garçonnière de OSWALD  DE  ANDRADE São Paulo – 1918  ( 1ª Parte) por João Batista do Lago e Tonicato Miranda * * * * *   Com muitas dúvidas – eis o mais intrigante livro publicado em língua portuguesa no Brasil. Um livro de receitas de amores ao redor de uma personagem […]

A Balança

A Balança © DE João Batista do Lago Do palácio das Liberdades Nascem carnes podres Podres de direitos Podres de justiças… E então os direitos Acasalados com as justiças Geram frigoríficos Onde suas carnes são depuradas Para serem vendidas aos homens ___________________________________________________________

ANA CRISTINA CESAR

Olho muito tempo o corpo de um poema   Ana Cristina Cesar Olho muito tempo o corpo de um poema até perder de vista o que não seja corpo e sentir separado dentre os dentes um filete de sangue nas gengivas   Ana Cristina Cesar (1952-1983)

CARLOS NEJAR

Laços       Não tenho parentes tenho filhos de amar o mundo   Sou um rio entre o boi do chão e as estrelas   Não estou só o sangue secou sou um companheiro que partiu   Carlos Nejar

MURILO MENDES [1901-1975]

Poema passional   Fora do tempo eu assistia Ao nascimento das tuas sensações, Ao nascimento dos teus filhos no teu ventre E ao diálogo entre o Criador e o Destruidor.   Foi permitido o sítio e o saque da tua alma, Foi permitido o corte da tua cabeleira pesada, Fizeram uma cicatriz nos braços que […]

VINÍCIUS DE MORAES [1913-1980]

Mensagem à poesia Não posso Não é possível Digam-lhe que é totalmente impossível Agora não pode ser É impossível Não posso.   Digam-lhe que estou tristíssimo, mas não posso ir esta noite ao seu encontro. Contem-lhe que há milhões de corpos a enterrar Muitas cidades a reerguer, muita pobreza pelo mundo Contem-lhe que há uma […]

CRÔNICAS: Convite à Mediocridade

Convite à mediocridade  Jamil Salloum Jr. Querido leitor, se você deseja uma cômoda vida de mediocridade, sem preocupações, desafios e crescimento, aceite esta receita que lhe oferecemos, que se mostrará, não tenha dúvida, um guia seguro: 1 – Antes de pensar, primeiro informe-se sobre o que deve ser pensado. Consulte a sociedade, de preferência as […]

O BOI NA PLATEIA [DE Tonicato Miranda]

O boi na platéia para Vera Lúcia Gonçalves da Silva você Sol, invencível astro nosso amo e senhor aquele que governa a luz o que dita para todos o sono somente a ti invejo neste mundo vejo os rabos dos bois na campina verde e para quem eles balançam senão para ti ouço passarinhos de […]

Ficha [DE Miguel Torga]

Ficha Poeta sim, poeta… É o meu nome. Um nome de baptismo Sem padrinhos… O nome do meu próprio nascimento… O nome que ouvi sempre nos caminhos Por onde me levava o sofrimento… Poeta, sem mais nada. Sem nenhum apelido. Um nome temerário, Que enfrenta, solitário, A solidão. Uma estranha mistura De praga e de […]

Do desejo [DE Hilda Hilst]

Do desejo I Porque há desejo em mim, é tudo cintilância. Antes, o cotidiano era um pensar alturas Buscando Aquele Outro decantado Surdo à minha humana ladradura. Visgo e suor, pois nunca se faziam. Hoje, de carne e osso, laborioso, lascivo Tomas-me o corpo. E que descanso me dás Depois das lidas. Sonhei penhascos Quando […]

Madrigal muito fácil [De Manuel Bandeira]

Madrigal muito fácil Quando de longe te vi, Quando de longe te via, Gostei logo bem de ti. Como é bonita! eu dizia. Mas por enganar aquilo Que dentro de mim senti, Que dentro de mim sentia, Pensei de mim para mim Que a distância é que fazia Me pareceres assim. Não era a distância […]

8 Flores e a Canção Desesperada [de Tonicato Miranda]

8 Flores e a Canção Desesperada   para a mulher amada/ e tantas mulheres como você   Você, rosa vermelha e um punhal brilhante sobre a mesa do corredor até a mim vem uma canção desesperada Você, um lírio branco e vinte lírios brancos sobre a mesa que nada rivalizam ou contêm dos acordes da […]

Guardar (de Antonio Cícero)

Guardar uma coisa não é escondê-la ou trancá-la. Em cofre não se guarda coisa alguma. Em cofre perde-se a coisa à vista. Guardar uma coisa é olhá-la, fitá-la, mirá-la por admirá-la, isto é, iluminá-la ou ser por ela iluminado. Guardar uma coisa é vigiá-la, isto é, fazer vigília por ela, isto é, velar por ela, […]