A Balança

A Balança © DE João Batista do Lago Do palácio das Liberdades Nascem carnes podres Podres de direitos Podres de justiças… E então os direitos Acasalados com as justiças Geram frigoríficos Onde suas carnes são depuradas Para serem vendidas aos homens ___________________________________________________________

APOCALIPSE – © DE João Batista do Lago

APOCALIPSE   © DE João Batista do Lago     I Amanhece e o sol do Oriente sangra Pássaros e borboletas – anjos de aço – Dão “bom dia!” de estanhos em fogos! A velha Palestina – enclausurada! – Parece mesmo condenada ao pranto eterno, À miragem apocalíptica de João.   II Da miserável conduta […]

JOÃO BATISTA DO LAGO

Origem: http://www.cuadernodepoesia.org/J.B.do_Lago_poemas.html / http://www.cuadernodepoesia.org/Joao_Batista_do_Lago.html / http://www.cuadernodepoesia.org/excelsus.5.html   © De la traducción: Isabel Mercadé A CARNE   Há monstros!  Monstrengos há! Seus caninos afiados  feitos presas de javalis  vislumbram o ataque fatal. Mas, depois de devorada a tartaruga  percebem o grande mal que a si fizeram:  suas carnes estão sendo comidas  pouco-a-pouco são corroídas  nos palácios dos seus ancestrais. […]

DEAMBULATORIUM [de João Batista do Lago]

Acordo num ofertório do dia Onde a primavera solícita Oferece-me o sorriso das flores Ouço as palavras das rosas